Quando o luto se transforma em doença

A perda de uma pessoa querida é um momento horrível na vida de qualquer pessoa. O luto prolongado ou complicado não é definido por seu tempo de duração, mas pelo sim pela compreensão, pelo enlutado, de que a pessoa morreu e que ele tem que seguir em frente.

A intensidade das etapas vai depender do grau de afetividade entre a pessoa e o ente querido. O paciente pode voltar à negação a qualquer momento, por exemplo. A etapa única e final deve ser a aceitação.

Primeiro estágio: negação e isolamento
O que é? O estágio de negação serve, na verdade, como um “para-choque”, um amortizador do impacto da notícia.
Como lidar? Acolher a negativa, sentir a angústia e prestar/receber suporte emocional.

Segundo estágio: raiva
O que é? Quando a negação não é mais possível de ser mantida, vem a raiva.
Como lidar? Entender que a raiva não é pessoal. O acolhimento faz com que o paciente vivencie o momento, entenda a natureza do sentimento e trabalha suas defesas.

Terceiro estágio: barganha
O que é? Há uma tentativa de se sair bem sucedido, fazendo algum tipo de acordo que adie, de alguma maneira, o desfecho final, inevitável. Na verdade, a barganha é tão somente um adiamento, um prêmio que pode vir a acontecer, uma meta a ser perseguida com a finalidade de se prolongar a vida.
Como lidar? Às vezes, uma conversa franca e aberta com um aconselhamento espiritual pode favorecer o melhor entendimento neste estágio e do que pretendemos com ele, além de revisar a noção de pecado, culpa e castigo.

Quarto estágio: depressão
O que é? Grande sensação de perda iminente. Há, porém, uma diferença real entre a depressão que acompanha o primeiro estágio e a depressão deste estágio. A primeira é uma depressão reativa, e a segunda é uma depressão preparatória.
Como lidar? Nesse estágio, ajuda muito verbalizar o pesar. Não são necessárias frases animadoras ou conversas otimistas. O silêncio falará mais que as palavras. O importante neste momento é se sentir amparado, nunca sozinho. O toque, comunicação não verbal, fará as vezes das frases desnecessárias e inconvenientes. Na verdade, a depressão é um instrumento de preparação para o estado de aceitação, que se segue.

Quinto estágio: aceitação
O que é? O paciente, neste estágio, tem uma necessidade de perdoar e ser perdoado pelos outros e, até mais, ser perdoado por ele mesmo.

Como lidar? O segurar a mão e o estar próximo dizem mais do que palavras proferidas. Nesse último estágio, a família carece mais de cuidados. Entender o que o paciente precisa e respeitar suas necessidades é ímpar neste momento para que ele viva seus momentos derradeiros em paz.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *