6 Alimentos que ajudam o intestino a encontrar seu ritmo

O intestino é, sem dúvidas, um dos órgãos mais importantes do corpo humano. Além participar do processo de digestão de alimentos, também é responsável pela produção de diversos neurotransmissores que atuam no cérebro regulando a saúde mental e o bem-estar. Por esse motivo, atualmente, pesquisadores têm se referido ao intestino como o “segundo cérebro”.

A má regulação do funcionamento do intestino não é prejudicial somente para a absorção de nutrientes, mas também para a saúde mental. Isso porque o intestino funciona de uma maneira única, em parceria com bactérias que o habitam, a famosa flora intestinal.

Por essa razão, este texto explica o que pode fazer com que o intestino saia do seu ritmo e como fazê-lo voltar ao normal através de alimentos e medicamentos. Confira:

O que pode desregular o intestino?

Vários fatores podem desregular o equilíbrio tênue necessário para o funcionamento normal do intestino. Uma alimentação desregrada, recheada de alimentos processados e ultraprocessados, por exemplo, pode causar diarreia e prisão de ventre, pois as bactérias da flora intestinal podem ser afetadas por agentes químicos presentes nesses produtos.

Ainda, o uso excessivo de antibióticos também contribui para o desequilíbrio intestinal, pois esses medicamentos atacam bactérias de modo geral, ou seja, não diferenciam a bactéria que está causando uma infecção de bactérias da flora intestinal que auxiliam na digestão. Isso faz com que o antibiótico ataque todas as bactérias do organismo, inclusive as essenciais para a absorção de nutrientes e para a produção de neurotransmissores importantes.

Quando essas alterações abruptas causadas pelo uso excessivo de antibióticos acontecem na infância e na adolescência, as chances de desenvolver problemas mentais como depressão, transtorno bipolar e outras doenças, também, torna-se maior.

Qual o tratamento?

Existem várias maneiras de se regular o intestino, como através de uma dieta mais balanceada ou com medicamentos como o INTESTILIVRE, que atua como auxiliar no tratamento dos sintomas das disfunções gastrointestinais como:

  • Constipação (prisão de ventre);
  • Diarréia;
  • Gastralgia (dores de estômago);
  • Dispepsia (sensação de peso no estômago);
  • Digestão lenta;
  • Distensão e dores abdominais;
  • Náuseas;
  • Mau hálito;
  • Gases;
  • Cólica;
  • Cefaleia (dor de cabeça).

Como usufruir de uma dieta que regula o intestino

Apesar de parecer simples o consumo de alimentos citados no tópico anterior, é importante ter em mente que a dieta deve ser seguida levando em consideração alguns métodos.

Em primeiro lugar, o ideal é fazer uma refeição a cada 3 horas, variando os alimentos do cardápio e dar preferência a produtos integrais. Outra dica é mastigar bem os alimentos antes de engoli-los e ingerir água somente entre as refeições, evitando consumi-la durante as refeições.

Você também deve evitar consumir em excesso alguns alimentos, que podem contribuir para a constipação. Dentre os principais, podemos citar:

  • Banana maçã;
  • Goiaba;
  • Massas de modo geral;
  • Farinhas refinadas, como o trigo;
  • Cereais refinados, como creme de arroz, amido de milho e polvilho;
  • Farinha de mandioca;
  • Batata;
  • Refrigerantes.

Também, é muito importante se manter atento à hidratação e consumir bastante água para facilitar o caminho dos alimentos através do trato digestivo.

Seguindo essas dicas e alimentando-se corretamente, problemas como prisão de ventre e diarreia podem ser evitados, o que contribui positivamente para o funcionamento do organismo, o qual aumentará sua imunidade, e para o bem-estar mental.

Alimentos que ajudam a melhorar o funcionamento do intestino

Além do tratamento medicamentoso, você também pode regular o ritmo do seu intestino através do consumo de alguns alimentos. Dentre todos eles, selecionamos 6. Confira:

1. Mamão papaia

O mamão papaia possui em sua composição uma substância chamada papaína, que faz muito bem ao intestino. Trata-se de uma enzima proteolítica, ou seja, que auxilia na digestão de proteínas, diminuindo o tempo de exposição do bolo fecal.

Em outras palavras, a papaína consegue melhorar a absorção de nutrientes, fazendo com que eles não permaneçam no intestino por muito tempo. Esse efeito estimula a digestão, aprimora o trânsito intestinal e ajuda a evitar a constipação.

2. Abacate

Além de todos os benefícios que a fruta traz, as gorduras monoinsaturadas presentes em sua composição têm propriedades laxativas que ajudam na lubrificação das fezes, facilitando a evacuação.

Entretanto, como possui um alto valor calórico, não deve ser consumido em grandes quantidades.

3. Abacaxi

O abacaxi possui em sua composição diversas enzimas conhecidas como bromelinas. As bromelinas, assim como as papaínas, contribuem para uma melhor digestão de proteínas, facilitando a absorção de nutrientes.

4. Figo

O figo é outra fruta recheada de enzimas, sendo a mais importante delas a ficina. Assim como a papaína e as bromelinas, a ficina é muito útil na digestão de proteínas.

5. Amora

A amora é uma fruta rica em antocianinas, compostos antioxidantes e bactericidas, que ajudam nos casos de constipação intestinal. Além disso, esses compostos são muito úteis no tratamento doenças inflamatórias intestinais.

A fruta contém um tipo de fibra chamada pectina, a qual possui capacidade de absorção de água elevada, facilitando o trânsito intestinal. 

6. Kiwi

O kiwi possui uma substância exclusiva chamada actinidina, uma enzima que estimula os receptores do cólon, o que auxilia sua mobilidade, facilitando a laxação. Também, promove a hidrólise de proteínas, assim como a papaína, a bromelina e a ficina.

De modo geral, deve-se ter em mente que uma alimentação equilibrada e saudável será fundamental para colocar o intestino em seu ritmo adequado. Além dos alimentos citados, consuma bastante água e, se essas medidas não forem o suficiente para ajudar seu organismo a funcionar, procure ajuda de um médico para entender as causas do problema.

Fonte: Bula Intestilivre

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *