WP
61 0

Como a ansiedade afeta sua concentração

Nosso desempenho, tanto no trabalho quanto na escola e em casa, pode ser afetado por problemas como a concentração. Esta falta de foco pode acontecer devido a uma série de condições médicas, sendo a mais comum a ansiedade.

Em linhas gerais, a falta de concentração refere-se a uma deficiência na chamada memória de trabalho, isto é, ocorre a dificuldade em captar informações, interpretá-las e mantê-las em atenção o tempo suficiente.

Entre outras causas, é a ansiedade que acomete esta situação a partir de algumas circunstâncias indesejadas, como o excesso de preocupação, irritabilidade, inquietação e alteração de sono.

Neste texto você encontra informações sobre o que é esta condição, seus principais sintomas, como a ansiedade afeta sua concentração e como lidar com ela. Confira:

O que é e quais os sintomas da ansiedade?

A ansiedade pode ser entendida como uma reação que todas as pessoas podem experimentar diante de situações do dia a dia, em que há a probabilidade de causarem nervosismo, preocupação, medo e apreensão. Falar em público, entrevistas de emprego, muita informação, vésperas de provas e datas importantes, resultados de exames de saúde entre outras, são algumas das situações que podem provocar sintomas de ansiedade.

Esta condição médica pode ter seu grau de intensidade variando de pessoa para pessoa. Isto é, em alguns casos de maior intensidade, a ansiedade pode ser vista como um transtorno patológico que pode comprometer a saúde emocional por um longo período.

Entre os sintomas da ansiedade experimentados pelas pessoas, destacam-se:

  • Alterações de sono e insônia;
  • Tensão muscular;
  • Enxergar perigo em situações corriqueiras;
  • Apetite desregulado;
  • Medo de falar em público;
  • Preocupações em excesso;
  • Inquietação constante;
  • Perfeccionismo;
  • Pensamentos possivelmente obsessivos;
  • Problemas digestivos;

Como a ansiedade afeta sua concentração?

Como visto, a ansiedade pode afetar diretamente nosso dia a dia, interferindo o modo em como processamos as informações e lidamos com elas. Esses e outros eventos associados à ansiedade podem exercer influência em nossa capacidade de concentração. Além disso, contextos pautados por medo, incertezas e novas situações, como o da pandemia da Covid-19, também podem provocar sintomas ligados à ansiedade.

Quanto ansiosos, temos um provável aumento de esquecimento, que vai desde ações mais complexas, como no trabalho, até mais simples, como o que foi buscar em um lugar ou porque começou tal atividade. Como resultado, tarefas fáceis e que já estamos acostumados tornam-se difíceis de executar.

Esta condição médica afeta, ainda, consideravelmente a produtividade (no trabalho e em casa) e em como lidamos com outras pessoas.

A ansiedade causa baixa na produtividade

Mentes ansiosas sofrem com:

Coisas que externas ao seu controle: a preocupação causada por motivos que fogem ao seu controle pode causar preocupações excessivas. Por exemplo, na organização ou expectativa por eventos futuros, a certeza se mostra de modo escasso, isto é, não é possível prever com toda a clareza possíveis obstáculos. Além disso, prever com total precisão todas as atividades do dia a dia pode ser um tanto difícil. 

Recorrer, então, a todas as variáveis possíveis como meio de evitar quaisquer problemas pode ser exaustivo. Esta inquietação provocada por tais momentos contribuem para o aumento da ansiedade, logo a dificuldade de concentração e atenção e a baixa na produtividade.

Procrastinação: quando ansiosos, costumamos ter problemas de desempenho em várias atividades do dia a dia. Por exemplo, se um trabalho for muito grande ou difícil, podemos adiar seu início por acharmos que não vamos ser capazes de concluí-lo. É, portanto, na procrastinação que encontramos maneiras de nos distrair. Outro método que a mente adota, nesse contexto, é o de optar por tarefas mais fáceis e de baixa prioridade, mantendo o indivíduo “produtivo”, mesmo quando está deixando a atividade com maior prioridade para depois.

Mudanças constantes de foco em atividades: preocupações e inquietações excessivas provocadas pela ansiedade podem fazer com que não consigamos focar em apenas um trabalho, indo de atividade em atividade sem concluir nenhuma.

O efeito da ansiedade na interação com as pessoas

O efeito da ansiedade na conversa informais e nas reuniões de trabalho se dão das seguintes maneiras:

Pensar no que pode não dar certo antecipadamente: é muito comum que pensamentos sobre o que pode dar errado em nossas atividades acometem nosso cérebro no cotidiano. Só que este tipo de pensamento pode interferir diretamente na interação com seus colegas de trabalho. Por exemplo, quando ansiosos tendemos a não prestar totalmente atenção nas informações que chegam até nós sobre novos projetos. 

Como consequência dessa absorção insuficiente de conteúdos, passamos a imaginar os piores cenários para tal situação, mesmo que naquele momento de troca com os colegas existam informações suficientes para nos ajudar, soluções eficazes e ideias que garantem o cumprimento das tarefas.

Preocupar-se com o que as pessoas pensam sobre nós: este pode ser um grande fator que desencadeia sintomas de ansiedade. O medo da vergonha ou de ser julgado(a) dificulta e muito, quase impossibilitando uma boa concentração nas atividades.

Ao nos preocuparmos com o que as pessoas pensam de nós ou se aparentamos estar ansiosos ou nervosos, torna-se difícil se concentrar e participar ativamente de momentos importantes. Além disso, a tentativa de causar uma boa impressão, em momentos de ansiedade, pode interferir diretamente neste objetivo. Isso porque, quando nos empenhamos em dizer a coisa certa para causar uma boa impressão em vez de ouvir o que o próximo diz, podemos ficar com a mente vazia na hora em que precisarmos falar.

Como melhorar a concentração afetada pela ansiedade 

Agora que você entendeu um pouco mais sobre como a ansiedade afeta sua concentração, saiba que existem boas práticas para aliviar seus sintomas. Encontrar maneiras de lidar com a ansiedade pode ser um desafio, mas existem métodos e estratégias que podem ser adotados no dia a dia para melhorar a condição e amenizar os sintomas. 

Saiba aqui alguns desses recursos que melhoram a concentração e coloque-os em prática:

Estabeleça momentos de pausa para descanso da mente: o ideal é fazer uma pauta a cada 45 minutos em períodos de trabalhos em grandes projetos. Aplique técnicas de mindfulness para relaxar seu cérebro.

Reduza a quantidade de café/cafeína: o café pode ser um grande aliado no foco e atenção das atividades. Contudo, quando consumido em grandes quantidades, a própria concentração pode ser afetada, além de outros malefícios.

Realize uma mudança de “mindset”: em vez de pensar coisas como “não consigo fazer isso”, “não consigo me concentrar” ou “não tenho perspectivas de alcançar este objetivo ou cumprir tal demanda” — estes causam uma piora nos quadros de ansiedade —, opte por pensamentos diferentes, como “é normal precisar de uma pausa para poder me concentrar melhor depois”.

Seu corpo e mente são prioridade. Ouça-os: sintonize seus sentidos descansando o cérebro. A sugestão é dedicar algum tempo do seu dia para perceber a fundo o que você ouve, vê, cheia e sente.

Se os problemas persistirem, consulte um profissional: é importante destacar que estas dicas acima nem sempre vão ajudar a melhorar sintomas de ansiedade e falta de concentração. Em casos mais graves, a procura por um profissional adequado é mais que necessária. Você poderá realizar um diagnóstico preciso da sua realidade e encontrará maneiras de aliviar os sintomas.

Outras formas de lidar com a ansiedade

Existem outras maneiras de aliviar os sintomas de ansiedade e otimizar sua concentração nas atividades do dia a dia. Um exemplo destas é o uso de medicamentos focados em relaxamento, como o Nervocalm WP LAB®.

O Nervocalm WP LAB® é uma medicação homeopática de ação imediata e efeito gradual que, com substâncias ativas de origem natural, é indicado como auxiliar no tratamento dos sintomas da ansiedade leve, assim como a insônia.

Atenção: é extremamente importante consultar seu médico(a) para a realização de exames prévios, bem como buscar informações sobre a dosagem correta do medicamento, duração do tratamento e outras orientações de uso.

Fonte(s): Cuidaí, Cuidados pela Vida, Vittude, Bula do Nervocalm, Harper’s Bazar e A Lust for Life.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *