WP
58 0

Dores abdominais: possíveis causas

A região da barriga é conhecida por ser uma das partes mais importantes do corpo, pois comporta uma série de órgãos vitais. É também nesta mesma região que podemos sentir algumas dores abdominais, que podem ter causas distintas dependendo do local e de seu grau de intensidade.

Em muitos casos, esses desconfortos são leves, temporários e não necessitam de tratamento médico. Contudo, quando a dor abdominal é de forte intensidade ou é seguida de outros sintomas associados — febre, vômito ou diarreia, por exemplo —, a avaliação médica é necessária.

Popularmente chamados de “dor de barriga”, esses incômodos podem sinalizar alguns problemas específicos de saúde, portanto, reconhecer possíveis causas para tratá-las o quanto antes é essencial.

Neste artigo você entenderá um pouco mais sobre quais são as possíveis causas de dores abdominais e aprenderá algumas dicas para distingui-las e atenuar seus sintomas.

Importante: este conteúdo é de caráter informativo e não serve para autodiagnóstico. Sem consultas e exames devidamente realizados, entender a origem de uma dor abdominal pode ser difícil até mesmo para profissionais de saúde.

Atenção ao local onde a dor surge

Um aspecto importante e que deve ser levado em consideração é o local onde a dor aparece, pois pode indicar qual é o órgão que precisa de atenção. 

Um exemplo é quando a dor surge logo abaixo do umbigo, a qual pode indicar prisão de ventre, infecção urinária e/ou problemas na bexiga. Ou, então, se a dor que está sentindo concentra-se no lado superior direito pode ser que você esteja com problemas no fígado.

Destacamos aqui que, no entanto, esta é uma regra que se aplica apenas para algumas causas de dores abdominais. Existem problemas, por exemplo, que causam incômodos em mais de um local, como os ocasionados por gases. Ou, ainda, em lugares distantes do órgão em questão, como é o caso da inflamação da vesícula, que pode se expandir para outras regiões do abdômen.

Possíveis causas de dores abdominais

1. Gases

Mesmo podendo causar fortes dores na região abdominal, os gases não costumam ser um sintoma sério ou que precisa de atendimento clínico. Quando sentimos essa dor, ocorre uma distensão da alça intestinal devido ao ar preso, causando incômodos e mal-estar.

2. Estresse

As dores abdominais também podem ser causadas pelo estresse, já que o sistema nervoso autônomo é responsável pelo controle do processo digestivo. Por isso, depois de um dia exaustivo no trabalho ou na presença de alguma situação nova, que provoca ansiedade, é comum sentirmos vontade de ir ao banheiro devido às dores no abdômen.

3. Constipação (intestino preso)

A constipação é causada, principalmente, pelo fraco consumo de fibras e baixa ingestão de água. As dores nos quadros de constipação costumam ser contínuas em forma de “pontadas” e se manifestam geralmente do lado direito do abdômen. Quando constipados, podemos sentir grande desconforto devido ao inchaço provocado pelos gases que ficam presos.

4. Intoxicação alimentar

A intoxicação alimentar ocorre por meio da ingestão de alimentos contaminados — por vírus ou bactérias — e duram, normalmente, de um a três dias, podendo se estender por até uma semana. 

A dor de barriga, nesta situação, costuma surgir de maneira rápida (de três a seis horas após a ingestão do alimento contaminado) e é acompanhada de outros sintomas, como náuseas, diarreia, vômito e possivelmente febre.

5. Apendicite

É o resultado da inflamação do apêndice, órgão anexo que mede de 6 a 10 cm, localizado na região do cólon, parte do intestino grosso. No início, ocasiona uma dor próxima ao umbigo que muitas vezes é confundida com a dor de cólica.

No caso de quadros mais graves, a apendicite caracteriza-se por irritar a parede do abdômen, acarretando dores na forma de pontadas na região inferior direita da barriga. Neste caso, o tratamento se dá por meio da cirurgia de remoção do apêndice seguido do uso de antibióticos.

6. Infecção urinária e renal

Esta condição pode se manifestar de duas formas — por meio da cistite (infecção da bexiga) ou da pielonefrite (infecção nos rins) — e acontece quando o agente infeccioso vem do exterior e sobe até à bexiga por meio da uretra, infectando-a.

Enquanto a primeira infecção causa uma dor localizada, assim como ardência e desconforto ao urinar, a segunda provoca uma dor mais difusa, isto é, se espalha pelas costas e está associada ao mal-estar, febre e vômito.

7. Pedra nos rins

Considerada uma das mais intensas formas de dor que o ser humano pode sentir, a pedra nos rins é uma complicação causada por pequenos cristais que se acumulam no órgão em questão. A dor se manifesta mais intensamente na região lombar, mas também pode se estender para a região do abdômen, principalmente nos flancos (áreas laterais, acima do umbigo).

8. Gastrite

A gastrite costuma surgir quando o estômago se encontra vazio, causando uma sensação de queimação na região superior do abdômen. Quando em maior intensidade, pode formar sérias lesões na mucosa do estômago, evoluindo o quadro para úlcera.

Também chamada de dispepsia, a gastrite apresenta sintomas como dificuldade de digestão, saciedade precoce e empachamento (quando sentimos que o alimento fica no estômago por mais tempo). Além das dores abdominais, é comum que provoque náuseas, eructação (arroto) e distensão da parte superior do abdômen.

Tipos de dores abdominais

Além da região em que se incide, a forma como ocorre a dor também pode auxiliar na identificação da sua causa:

  • Queimação: dores que causam sensações de queimação e/ou ardência na região do abdômen, por exemplo, podem indicar gastrite, úlcera ou refluxo.
  • Cólica: dores que se manifestam dessa maneira podem sugerir problemas no intestino, como diarreia, prisão de ventre ou gases. Além disso, também podem ser entendidas como cólicas menstruais, quando localizadas em mulheres, na região abaixo do umbigo.
  • Pontada e/ou agulhada: podem indicar problemas na região do abdômen, como inflamação intestinal, apendicite, prisão de ventre, síndrome do intestino irritável e pedras na vesícula ou no rim.

Outros tipos de dores abdominais podem se manifestar, a exemplo da sensação de inchaço e aperto. Existem ainda situações em que não conseguimos discernir como as dores se manifestam, sendo necessária a realização de exames indicados por um profissional de saúde para diagnóstico preciso.

Como é feito o tratamento

O tratamento das dores abdominais decorre da sua causa e localização. No geral, as avaliações médicas realizam exames físicos, de sangue e, quando necessário, sugerem um ultrassom abdominal.

Juntamente com os exames, é recomendada uma alteração na dieta, a qual você pode adotar em seu dia a dia para amenizar as dores abdominais. Opte por uma alimentação saudável evitando frituras e refrigerantes e priorizando refeições com baixa quantidade de leguminosas (feijão, grão de bico e lentilha), ovos e farinha. Isso porque a maior formação de flatulências no organismo se dá pela ingestão de alimentos que contêm uma grande quantidade de fibras, como os citados anteriormente, associados a um baixo consumo de água.

Além da dieta, existem medicamentos que podem ajudar a tratar essas condições, como o Intestilivre®, um medicamento homeopático que auxilia no tratamento dos sintomas das disfunções gastrintestinais.

Com ação imediata e efeito gradual, o Intestilivre® auxilia no tratamento dos sintomas das disfunções gastrintestinais, como constipação (prisão de ventre), diarreia, gastralgia (dores de estômago), dispepsia (sensação de peso no estômago), digestão lenta, distensão e dores abdominais, náuseas, mau hálito, gases, cólica e cefaleia (dor de cabeça).

Atenção: é extremamente importante consultar seu médico(a) para a realização de exames prévios, bem como buscar informações sobre dosagem correta do medicamento, duração do tratamento e outras orientações de uso.

Fonte(s): G1, M de Saúde, Tua Saúde, Digimax, Minha Vida e Bula Intestilivre.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *