WP
43 0

Gripe x Resfriado: Entenda a diferença

É gripe ou resfriado? Você com certeza já confundiu os sintomas da gripe com os do resfriado comum, não é mesmo?. E não é para menos. Ambas são doenças respiratórias causadas por vírus, sendo difícil dizer o que as difere apenas com base nos sintomas. No entanto, é necessário saber distingui-las para optar pelo tratamento correto. É por isso que, neste texto, você encontra a diferença entre gripe e resfriado, conhecendo um pouco mais a fundo os seus sintomas, as maneiras de transmissão, o diagnóstico e quais as formas de preveni-los e tratá-los. 

Em linhas gerais, a gripe pode ser considerada uma condição médica pior que as do resfriado devido aos seus sintomas, que são mais intensos. Por outro lado, mais leves do que a gripe, os resfriados geralmente não acarretam problemas de saúde graves, tais como pneumonia, infecções bacterianas, problemas cardíacos, crises de asma entre outros.

Acompanhe a seguir mais informações sobre a diferença entre gripe e resfriado e saiba como se proteger:

Qual a diferença entre gripe e resfriado?

Gripe

A gripe é uma doença causada pelo contato dos vírus da família Influenza com o corpo humano.  Trata-se de uma infecção, como visto na introdução, mais intensa do que o resfriado e se verifica uma maior taxa de complicações, especificamente nas regiões das vias aéreas — nariz, garganta e pulmões.

É interessante destacar que o nosso sistema imunológico, que protege nosso organismo de agentes externos, costuma produzir anticorpos visando o combate à doença. Ou seja, se você já pegou gripe no passado, saiba que seu corpo está preparado para reagir de modo mais efetivo contra o vírus. No entanto, os vírus da família Influenza sofrem mutação constantemente, sendo possível averiguar o surgimento de novas cepas no ambiente que podem vir a provocar novas contaminações.

Esta infecção pode variar bastante no que concerne à gravidade dos sintomas. Regularmente evolui de forma positiva, podendo o corpo resolver a situação entre 7 e 10 dias. Contudo, existem algumas situações que podem facilitar o desenvolvimento de complicações graves, chegando a ser fatais. As pessoas que possuem o risco de aumentar a gravidade da gripe são:

  • Crianças menores de 5 anos, especialmente as menores de 12 meses;
  • Adultos com mais de 65 anos e residentes em lares de idosos ou locais similares;
  • Mulheres grávidas e que recém tiveram um bebê;
  • Pessoas com o sistema imunológico frágil;
  • Pessoas com doenças crônicas, como asma, hepatite, diabetes, doença renal ou cardíaca;
  • Pessoas com sobrepeso;

O resfriado

O resfriado também é uma doença respiratória, que assim como a gripe, é causada por um vírus, sendo os mais comuns os rinovírus, os parainfluenza, o sincicial respiratório (RSV) — que geralmente afeta crianças — e o adenovírus. Acomete, especialmente, a região do trato respiratório superior (nariz e garganta).

Seus sintomas são mais brandos do que a gripe, podendo as pessoas pegarem o vírus uma vez ao ano e se recuperarem em um período entre 3 e 5 dias, podendo durar mais tempo em pessoas fumantes.

Quais os sintomas de cada doença?

Gripe

Os sinais e sintomas mais comuns que podem ser verificados quando se tem gripe são:

  • Febre alta (igual ou acima de 38ºC);
  • Dores na cabeça;
  • Dores pelo corpo (musculares);
  • Fadiga e fraqueza;
  • Dor de garganta intensa;
  • Tosse seca persistente;
  • Calafrios e suores;
  • Congestão nasal (alto acúmulo de catarro);
  • Possível perda de olfato e paladar;

Normalmente estes sintomas costumam passar logo após uma semana, mas não é incomum encontrar situações em que as pessoas apresentem estes sinais por até 10 dias.

Resfriado

Já com relação ao resfriado, é possível perceber os seguintes sinais:

  • Coriza (corrimento nasal);
  • Obstrução das vias aéreas;
  • Febre baixa ou ausente;
  • Espirros;
  • Dor de garganta moderada;
  • Dores musculares leves;
  • Cansaço leve;

Como é possível perceber, apresenta sintomas mais leves do que os da gripe, podendo, muito raramente, causar algumas complicações, mas que não se verificam como graves.

Quais as formas de transmissão?

Em ambos os casos a transmissão se dá por meio do contato com pessoas infectadas — ou seja, são contagiosas —, especialmente por gotículas de secreção respiratórias ou que estejam no ar. A transmissão dos vírus pode ocorrer, também, por meio da partilha de objetos pessoais — utensílios, brinquedos, computador, telefones e toalhas — e contato com superfícies contaminadas, como corrimões, maçanetas, entre outras. Se a exposição ao vírus ocorrer, e logo após levar às mãos aos olhos, nariz ou boca, é muito provável que você fique doente.

Após a contaminação, geralmente as pessoas levam de três a quatro dias para a chegada dos primeiros sintomas. E é possível que as pessoas infectadas possam contaminar outras pessoas desde o dia anterior ao aparecimento destes mesmos sintomas até cerca de cinco dias após seu surgimento.

Como é feito o diagnóstico?

Gripe

A gripe pode ser diagnosticada com base em seus sintomas. No entanto, para que seja realizado um diagnóstico preciso é necessário realizar uma consulta com um profissional de saúde. Este fará um exame físico à procura dos sinais da enfermidade que o paciente apresenta, podendo solicitar um teste para a detecção dos vírus.

Mas, geralmente, a maioria das pessoas com gripe costumam tratar-se em casa, não sendo preciso a consulta com especialista. Contudo, caso os sintomas da doença sejam percebidos com um elevado risco de complicações, um profissional de saúde deverá ser consultado imediatamente.

Resfriado

Por ser uma doença efêmera, que não dura muito, o diagnóstico do resfriado também pode ser feito com base em seus sintomas, sendo feita uma avaliação clínica, não sendo necessária a aplicação de testes laboratoriais.

No entanto, se os sintomas persistirem a consulta com um profissional de saúde deve ser feita. Se seu médico desconfiar ou verificar a existência de alguma infecção bacteriana ou outra possível doença, é possível que ele solicite a realização de testes que possam diagnosticar precisamente seu quadro clínico.

Como prevenir e tratar?

Para evitar o contágio de doenças respiratórias, como a gripe e o resfriado, é indispensável manter alguns hábitos de higiene pessoal, tais como lavar regularmente as mãos com água e sabão, utilizar lenço descartável para limpar o nariz, não compartilhar objetos de uso pessoal, sempre manter os ambientes bem ventilados, cobrir o nariz e a boca ao tossir espirrar, evitar aglomerações, assim como estar próximo de pessoas que estejam apresentando possíveis sinais.

Optar por uma alimentação saudável, hidratação, exercícios físicos recorrentes, uma noite de sono adequada e evitar o consumo de bebidas alcoólicas e de cigarros também auxiliam no fortalecimento do organismo e na prevenção das doenças supracitadas e outras.

Importante: não se esqueça de tomar as vacinas anuais para a prevenção da gripe.

Em casos de infecção e, devido às doenças serem passageiras, o tratamento se dá, de maneira geral, com o objetivo de aliviar os sintomas, seja pelo uso de analgésicos, antitérmicos, além do repouso e hidratação contínuos.

Entre os remédios que podem lhe auxiliar neste quesito é o Leparin®. Trata-se de um medicamento homeopático de ação imediata e efeito gradual que e ajuda no tratamento dos sintomas relacionados à gripe, tais como febre, coriza, secreção catarral, tosse, calafrios, dores de cabeça, fraqueza, sonolência, boca e gargantas secas, nariz vermelho e dolorido, sede e rouquidão.

Atenção: é extremamente importante consultar seu médico(a) para a realização de exames prévios, bem como buscar informações sobre a dosagem correta do medicamento, duração do tratamento e outras orientações de uso. Evite sempre a automedicação.

Fonte(s): Hospital 9 de julho, Blog da Saúde – Ministério da Saúde, Laboratório São Genônimo, Saúde Bem Estar, Saúde Bem Estar 2, MD Saúde, Bula do Leparin.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *