WP
101 0

O que a deficiência de Zinco causa ao corpo?

Para manter a saúde em equilíbrio, é necessária uma alimentação saudável a ingestão de vitaminas e minerais essenciais que previnem complicações e doenças.

O zinco é um desses minerais essenciais para o funcionamento do organismo, pois ele desempenha diversas funções no corpo humano.

Com a deficiência desse mineral, diversos problemas de saúde podem surgir, como problemas de pele, prejuízo ao sistema imunológico, dificuldade de cicatrização e outros.

Para prevenção, o ideal é manter uma alimentação balanceada e se for necessário recorrer a suplementos multivitamínicos que contenham zinco. Abaixo explicamos quais os riscos da deficiência. Confira!

O que é e quais os benefícios do zinco?

O zinco é um elemento químico com muitas utilidades. Além de ser utilizado até hoje para a confecção de ligas metálicas, com o intuito de protegê-las da corrosão, o zinco é essencial para toda a vida, desempenhando diversas funções no organismo.

É um mineral essencial para o bom funcionamento do corpo humano, participando de diversos processos, desde a produção de DNA, até a cicatrização de feridas e a percepção do paladar e do olfato. Também, é fundamental para o fortalecimento do sistema imunológico, ajudando na proteção contra gripes, resfriados, conjuntivite e outras infecções.

Além disso, pastilhas de zinco podem acelerar a cicatrização de aftas e inflamações na garganta. Quando utilizado em forma de comprimidos, ele pode ajudar no tratamento de doenças mais graves, como artrite reumatoide, lúpus, fibromialgia e esclerose múltipla.

Outro benefício do zinco se dá sobre diversos hormônios do corpo humano, como os hormônios tireoidianos e sexuais. Por essa razão, ele se mostra promissor no aumento da fertilidade em homens e mulheres, podendo, inclusive, diminuir a próstata aumentada.

Como também ajuda no bom funcionamento da tireoide, a suplementação com zinco pode ser eficaz em pessoas com uma tireoide subativa, além de modular os níveis de insulina do corpo e regular a sua sensibilidade nos tecidos periféricos, o que é muito bom para diabéticos.

Zinco na nutrição infantil

Na fase adulta a ingestão de zinco é fundamental, mas na infância é ainda mais necessário. Durante o desenvolvimento infantil, o consumo desse mineral na quantidade adequada contribui para o desenvolvimento saudável da criança.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 18% da mortalidade infantil tem como causa algum sintoma relacionado a deficiência desse mineral, tais como a diarreia, que causa desidratação.

Essa necessidade ainda maior do consumo de zinco na infância se dá principalmente pelo sistema imunológico na fase de desenvolvimento. As crianças, de modo geral, possuem um sistema imunológico mais indefeso e, por isso, ficam mais expostas a doenças infecciosas e podem ter seus quadros agravados.

O que a deficiência de zinco causa no corpo?

Consumir menos zinco do que o corpo precisa pode trazer consequências não muito boas para o organismo, sendo que a principal delas é o comprometimento da imunidade. Ter uma alimentação deficiente em zinco pode te deixar mais vulnerável a doenças como viroses e resfriados, mas os problemas não param por aí.

A falta de zinco pode causar problemas como diarreia crônica, queda de cabelo, unhas fracas, paladar alterado, distúrbios de crescimento, infertilidade, dificuldade de cicatrização de feridas e distúrbios neurológicos.

Por essa razão, crianças, gestantes, idosos e pessoas que adotam uma dieta vegana ou vegetariana devem ficar mais atentos em relação a quantidade de zinco que consomem.

Sintomas

Como vimos, o zinco é um mineral que desempenha diversas funções no organismo, por isso a deficiência pode acarretar em diversos sintomas e problemas. Os principais sintomas associados incluem:

  • Prejuízo ao sistema de defesa;
  • Dificuldades em sentir o gosto salgado nos alimentos;
  • Feridas que demoram a cicatrizar;
  • Problemas de pele (psoríase);
  • Níveis mais altos de glicose no sangue;
  • Problemas no fígado;
  • Pele amarelada e mais seca;
  • Perda de apetite;
  • Atraso no crescimento e desenvolvimento infantil;
  • Queda de cabelos;
  • Lentidão;
  • Irritabilidade;
  • Olfato e paladar afetados;
  • Redução de espermatozoides.

Por afetar o sistema imunológico, a pessoa com deficiência de zinco fica muito mais vulnerável a infecções. 

Fontes de zinco

O zinco não é produzido naturalmente pelo corpo humano, o que faz com que esse mineral tenha de ser constantemente consumido. É possível obter fontes de zinco de diversos alimentos, ou então de compostos multivitamínicos. Confira:

Alimentos ricos em zinco

Existem diversos alimentos ricos em zinco que devem ser incluídos em uma dieta equilibrada para que a pessoa não sofra com as deficiências desse mineral essencial. Veja quais são: 

  • Amendoim;
  • Amêndoa;
  • Camarão;
  • Carne vermelha cozida;
  • Castanhas;
  • Chocolate amargo;
  • Feijão;
  • Grão-de-bico;
  • Frango;
  • Ostras;
  • Gema do ovo;
  • Sementes de abóbora e linhaça;
  • Castanha-do-pará.

Multivitamínicos

Em alguns casos, além da ingestão dos alimentos, é necessário a suplementação de zinco através de multivitamínicos. 

O Forteviron Vitamin Testo, é indicado, não só para a reposição de zinco no organismo como também para ajudar em alguns sintomas da deficiência, como queda nos níveis de testosterona. 

Além do zinco, o Forteviron Vitamin Texto, apresenta outras vitaminas e minerais essenciais na composição. O uso, no entanto, deve ser feito sempre com acompanhamento médico e de acordo com as instruções da lâmina técnica ou da embalagem do suplemento. 

Cuidados

O equilíbrio é o segredo de uma vida saudável, ou seja, o excesso de zinco também pode fazer mal. 

Ingerir mais do que 50 miligramas ao dia durante longos períodos é contraindicado. Níveis altos de zinco no sangue fazem com que os níveis de cobre sejam reduzidos e, deste modo, o paciente acaba ficando com excesso de zinco e deficiência de outro mineral.

Quando o consumo de zinco está muito alto o corpo também dá sinais, como diarreias, enjoos, cansaço, lentidão e outros sintomas. Ao notar a presença de alguns desses sintomas, de excesso e de falta, procure ajuda médica.

Fonte(s): Scielo, Minha Vida, Manual Msd, Tua Saúde, Dr. Juliano Pimentel, Saúde Abril

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *