O que acontece com o corpo durante o sexo?

A relação sexual é uma atividade bastante importante para a saúde, pois estimula a liberação de diversas endorfinas, que regulam o humor, além de ser um ótimo exercício físico.

Entretanto, alguns problemas de saúde podem dificultar a vida sexual do homem e da mulher, causando uma diminuição da libido (desejo sexual) ou outras disfunções, como ejaculação precoce, impotência e dores na relação.

Entenda mais sobre o que acontece em nosso corpo durante a relação sexual, os problemas que podem afetar o desempenho sexual e a libido e os tratamentos envolvidos na resolução desses problemas no texto a seguir:

Quais os benefícios do sexo para a saúde?

O sexo traz muitos benefícios para o organismo, sendo o principal a liberação de hormônios que aumentam a sensação de bem estar e ajudam a diminuir o estresse. Entretanto, não é só isso. O sexo pode ajudar a fortalecer o sistema imune.

Em um estudo da Wilkes University constatou-se que pessoas que praticam atividade sexual em uma frequência de uma ou duas vezes por semana tem um aumento de 30% da imunoglobulina A, fortalecendo o sistema imune.

Além disso, o estudo mostrou que tanto a meditação quanto o sexo ativam áreas semelhantes do cérebro. Ou seja, tanto o sexo quanto a meditação ajudam a melhorar o bem-estar, a criatividade, a intuição e o modo de lidar com o mundo.

O que acontece no corpo durante o sexo?

O ato sexual, normalmente é composto por etapas que vão desde as preliminares até o ato em si. Entenda o que acontece dentro do corpo humano em cada uma dessas etapas:

Antes

Durante as preliminares, tanto homens quanto mulheres sofrem alterações hormonais que fazem com que sintam vontade de praticar o sexo.

No caso dos homens, o desejo é majoritariamente impulsionado devido a um aumento na testosterona. Nas mulheres, por outro lado, é um pouco mais complicado. Primeiramente, o sistema límbico, que é responsável pelas emoções, é ativado, causando uma liberação excessiva de dopamina, o que gera uma grande sensação de prazer.

Para ambos os sexos, há um aumento dos batimentos cardíacos, aumentando a pressão sanguínea e a respiração. Nas mulheres, as paredes vaginais se lubrificam e o clitóris e os tecidos adjacentes incham-se, enquanto nos homens, ocorre o fenômeno de ereção, gerado pelo aumento do fluxo sanguíneo nos corpos cavernosos do pênis. O tempo em que tudo isso ocorre varia consideravelmente entre os indivíduos. 

Durante

Durante o ato sexual, o fluxo sanguíneo aumenta devido a liberação de óxido nítrico no organismo. Por essa razão, algumas regiões ficam mais avermelhadas e os mamilos das mulheres tornam-se mais sensíveis e eretos.

Dependendo da intensidade da relação, o pulso, a pressão arterial e a respiração podem se intensificar. Além disso, eleva-se a dopamina e a epinefrina (adrenalina) e, à medida que o clímax se aproxima, os músculos vão ficando mais tensos.

Depois

Uma vez que o orgasmo é atingido, o hipotálamo proporciona uma extrema sensação de bem-estar. Nas mulheres, ocorre a liberação de ocitocina, que aumenta ainda mais a dopamina no organismo.

Além disso, a presença da ocitocina ajuda a diminuir os níveis de cortisol, hormônio do estresse, no sangue. Também, é comum que ocorram reflexos nas mãos e nos pés. Isso faz com que haja o ato de segurar-se firmemente no parceiro ou na cama.

Entretanto, não se trata de uma falta de controle, mas sim, seu corpo concentra-se no orgasmo e, por esse motivo, as sensações são tão intensas e prazerosas.

Outras substâncias liberadas durante o orgasmo são a serotonina, neurotransmissor responsável por regular o humor e que faz com que o indivíduo se sinta calmo, e o DHEA, que possui efeitos antidepressivos.

Dessa forma, é possível afirmar que um maior número de orgasmos melhora o humor e a imunidade.

O que pode diminuir a libido?

Existem várias condições que podem diminuir a libido e, consequentemente, agem como um empecilho para uma vida sexual saudável e feliz. Tais problemas compreendem questões físicas e psicológicas e, caso interfiram consideravelmente no desempenho sexual, devem ser tratadas com um médico especialista.

Uma das possíveis causas da diminuição da libido é o desbalanço hormonal. Nesse caso, o ideal é procurar um médico endocrinologista para analisar o caso e realizar os exames recomendados para avaliar a necessidade de reposição hormonal.

Tanto mulheres como homens podem sofrer alterações hormonais. As mulheres, em especial, durante o período da menopausa. Entretanto, ainda há outros fatores que podem interferir no desempenho sexual do homem, como má alimentação, uso de certos medicamentos e consumo excessivo de álcool.

Como aumentar a libido?

Aumentar a libido pode ser complicado dependendo de sua causa. Caso esteja relacionada ao uso de algum medicamento ou droga, a interrupção do tratamento deve resolver o problema.

Quando o problema hormonal for diagnosticado, um médico poderá indicar a reposição hormonal. Já no caso de impotência em homens, podem ser indicados vasodilatadores para facilitar a ereção. Ainda, para mulheres, podem ser indicados produtos que ajudam a aumentar a lubrificação vaginal.

Ainda, existem medicamentos como o Forteviron WP LAB, que auxilia no tratamento da fraqueza física e mental, combatendo a diminuição ou ausência do desejo sexual, auxiliando na melhora do desempenho sexual.

Em todo o caso, antes de utilizar qualquer medicamento, é importante consultar um médico ou farmacêutico para avaliar os riscos e benefícios. 


Fonte(s):Humana Saúde,  Super, Clinica Mais Homem, Metropoles, Desinchá e Bula Forteviron.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *