Saiba tudo sobre constipação intestinal, a famosa prisão de ventre

Você já pensou como é a rotina de sentir algo preso dentro de você? Esse é o dia a dia das pessoas que convivem com a constipação intestinal: a famosa prisão de ventre. Para essas pessoas, cada ida ao banheiro é um desafio. Às vezes elas cumprem parcialmente a meta, às vezes não cumprem nada…

Todas as vezes que consumimos algum alimento, o sistema digestivo fica responsável por absorver os nutrientes e a água. O que não é aproveitado forma aquilo que chamamos de bolo fecal, que naturalmente é expelido no formato de fezes.

Mas, quando este trabalho realizado pelo sistema digestivo passa a funcionar precariamente, ocorre o acúmulo de bolo fecal na região do intestino. Nestas situações, é normal que o organismo volte novamente a absorver a quantidade de água restante, causando o endurecimento e, consequentemente, a dificuldade de se eliminar as fezes.

As pessoas que apresentam esta condição médica podem passar vários dias sem poder ir ao banheiro, o que pode causar dores e desconfortos na região do abdômen, além de outros problemas no organismo.

Pensando em ajudar quem sofre de prisão de ventre, trouxemos neste texto informações importantes sobre o que é a constipação e quais as causas e os sintomas da constipação. Além disso, dividimos algumas dicas de prevenção e tratamento que, certamente, aliviará a situação desses pacientes. Confira!

O que é constipação intestinal?

A prisão de ventre — ou ainda intestino preso, ressecado ou lento — refere-se à uma condição médica na qual o paciente pode ficar vários dias sem ir ao banheiro por ter suas fezes ressecadas, portanto mais duras, o que causa intensa dificuldade em expeli-las. A constipação também acontece devido à insuficiência de contrações musculares necessárias para realizar a movimentação das fezes.

Ou seja, trata-se de uma modificação do desempenho do trato intestinal que causa uma frequência das evacuações inferior a três vezes por semana.

Causas da constipação

A constipação intestinal ocorre, comumente, devido à uma dieta pobre em fibras, ao pequeno consumo de líquidos, ao sedentarismo, à ingestão excessiva de proteína animal e de alimentos industrializados. Outra possível causa da prisão de ventre é deixar de evacuar quando o corpo tem vontade, o que pode danificar o funcionamento do intestino.

O intestino preso, também, pode estar ligado a doenças do cólon e do reto, ao uso de determinados medicamentos, bem como às modificações do metabolismo e neurológicas. Em resumo, algumas das causas — umas mais regulares do que outras — podem ser vistas logo abaixo:

Metabólicas: diabetes e hipotireoidismo;

Neurológicas: acidente vascular cerebral (AVC), doença de Chagas, doença de Hirschsprung (que acomete o intestino grosso, mais comum em crianças), neuropatia idiopática e traumas na medula;

Condições estruturais do cólon ou reto (obstrução da saída): doenças ano-retais, como diverticulose, hemorróidas, fissuras anais, além de tumores, e câncer colorretal;

Medicamentosas: anti-inflamatórios, antiespasmódicos, antidepressivos, opioides e medicamentos com cálcio;

Psicológicas: problemas psíquicos como ansiedade, estresse e depressão;

Idade: mais comum em idosos, devido à diminuição da eficácia dos movimentos musculares intestinais, bem como o uso de medicamentos periódicos e doenças degenerativas (Alzheimer e Parkinson). Também é comum em crianças, pelas mesmas causas dos adultos, mas que possuem destaque para hábitos alimentares errôneos e fatores psicogênicos, além da doença de Hirschsprung, já citada; e

Gestação: alterações hormonais e do metabolismo devido à gravidez.

Quais os sintomas da constipação?

É importante destacar que os sintomas da constipação intestinal podem variar de pessoa para pessoa, uma vez que cada caso é um caso. Contudo, as queixas mais comuns de prisão de ventre são:

  • Baixo número de idas ao banheiro;
  • Ressecamento das fezes, que duras e pouco volumosas provocam uma intensa dificuldade para serem eliminadas;
  • Inchaço e distensão abdominal;
  • Cólicas, dores e desconforto na região do intestino;
  • Mal-estar;
  • Dificuldade para eliminar gases;
  • Náusea;
  • Sensação de esvaziamento incompleto;

Como prevenir e tratar a constipação intestinal?

Conviver com a prisão de ventre pode ser um tanto desafiador, devido às dores e desconfortos que afetam nossa qualidade de vida. Contudo, existem algumas saídas para aliviar e até mesmo prevenir a condição.

Portanto, se você tem constipação intestinal e quer se livrar dos sintomas, confira 7 dicas que separamos para você:

1. Aposte em uma dieta rica em fibras

As fibras, entre outros benefícios, possuem a capacidade de amolecer as fezes, melhorar a absorção da água e facilitar o percurso dos resíduos pelo intestino. Consuma cerca de 30g de fibras diariamente, especialmente, as de origem de frutas, cereais integrais e vegetais, como ameixa, tâmara, maçã, uva passa, damasco, coco, mamão, quinoa, aveia e abacate.

2. Beba uma quantidade considerável de água

Mesmo que não alivie os sintomas imediatamente, o consumo de água auxilia no amolecimento das fezes e facilita o trânsito intestinal. A recomendação é beber de 6 a 8 copos ou 1,5L a 2L diariamente. Importante: não substitua a ingestão de água por outros líquidos, como refrigerantes e bebidas alcoólicas ou com cafeína, pois podem promover a desidratação e consequente agravamento da situação.

3. Faça exercícios físicos regularmente

O sedentarismo é uma das causas mais comuns da constipação, uma vez que quanto mais parado, mais constipado o paciente fica. Atividades físicas, sejam elas caminhadas, corridas ou atividades mais intensas, ajudam a fazer com que os músculos do intestino trabalhe.

4. Tome muita atenção com medicamentos

Existe uma série de remédios que podem facilitar o desenvolvimento de constipação em nosso organismo, portanto, é sempre bom ficarmos atentos(as). Alguns dos medicamentos* que podem provocar a prisão de ventre são analgésicos, ansiolíticos, antidepressivos, diuréticos e suplementos alimentares com base em ferro ou cálcio.

5. Tenha cuidado com leites e seus derivados

Algumas pessoas podem desenvolver reações alérgicas — intolerância à lactose — ao consumirem laticínios. Isso se deve ao fato de que o leite possui uma proteína de caráter alergênico, que provoca a constipação intestinal e irrita o sistema digestivo. Por isso, devem ficar atentas e reduzir a ingestão dos alimentos deste grupo.

6. Sempre que sentir vontade, vá ao banheiro

Não se segure para esperar a vontade passar. E o contrário também é verdadeiro: não procure evacuar de modo apressado, pois pode ocasionar o desenvolvimento de irritações na região intestinal e retal.

7. “Treine” seu intestino

Determine um período, de preferência sempre à mesma hora do dia, para ir ao banheiro. Isso pode colaborar para “treinar” o intestino, fazendo-o funcionar como se fosse um relógio.

Outras formas de tratar a prisão de ventre

Neste texto você pode conferir algumas informações sobre o que é constipação intestinal, quais as causas e sintomas, além de dicas que você pode adotar em sua rotina para prevenir e tratar a enfermidade.

Mas, saiba que você também pode optar pelo uso de medicamentos que podem lhe ajudar a atenuar os sintomas do intestino preso. Entre eles, é recomendado o uso do Intestilivre®, um medicamento de ação imediata e efeito gradual, desenvolvido pela WP LAB, que auxilia na digestão e nos sintomas das disfunções gastrintestinais.

O Intestilivre® pode contribuir no tratamento da constipação intestinal, diarreia, gastralgia (dores de estômago), dispepsia (sensação de peso no estômago), digestão lenta, distensão e dores abdominais, náuseas, mau hálito, gases, cólica e cefaleia (dor de cabeça).

Atenção: é extremamente importante consultar seu médico(a) para a realização de exames prévios, bem como buscar informações sobre a dosagem correta do medicamento, duração do tratamento e outras orientações de uso. Evite sempre a automedicação.

Fonte(s): Bula do Intestilivre, Portal Drauzio Varella, Portal da Proctologia, Metamucil BR, GZH, CUF e Viva Bem.

Deixe um comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *